Formas de Internacionalizar um Negócio

Além da exportação e importação, há outras maneiras de estabelecer negócios com empresas de outros países, como através de licenciamentos e alianças.

Exportação – Consiste em o mercado interno produzir determinado produto e vendê-los para o mercado externo, conforme demanda. Tem o risco mais baixo, comparado a outras formas de internacionalização.

Exportação direta – Quando o produto exportado é faturado pelo próprio produtor ao importador, fazendo com que a empresa tenha conhecimento do processo de exportação em toda a sua extensão, permitindo maior controle sobre sua atuação no mercado externo. O custo e o retorno são maiores do que na exportação indireta, mas o nível de risco é menor.

Exportação indireta – Realizada por intermediário de empresas estabelecidas no mercado interno, que adquirem produtos para exportá-los. A operação representa baixo controle e custo, mas também baixo retorno com relativo alto risco, uma vez que a empresa produtora não tem qualquer vínculo com o cliente no exterior e o intermediário poderá substituí-la por outro fornecedor a qualquer momento.

Importação – Importação consiste em empresas nacionais recorrerem a fornecedores do mercado externo para manterem sua competitividade no mercado doméstico. Envolve compras de máquinas, equipamentos, insumos e matérias-primas.

Importação direta – Quando a produtora adquire os bens desejados diretamente do fornecedor externo, tornando-se responsável pelos trâmites de importação.

Importação indireta – Nesse caso, a produtora adquire os bens desejados de outros países no próprio mercado interno, por meio de importadores, distribuidores e atacadistas, não se envolvendo nos trâmites de importação.

Licenciamento – Refere-se a dar direito de uso, através de contrato, para que outra empresa no exterior explore sua patente, segredo comercial ou marca (nomes e logotipos), tendo como contrapartida o pagamento de royalties. Um exemplo é a Coca Cola, que licencia sua marca para empresas em diversos países utilizarem em camisetas, copos, canecas, etc.

Franquia – Quando uma empresa escolhe desenvolve seu modelo do seu negócio e oferece a um investidor (franqueado) para que ele adquira o direito de abrir no seu país o negócio formatado pela empresa franqueadora. O empreendedor tanto pode “exportar” sua franquia, como “importar” uma marca conhecida.

Contrato de produção – Significa contratar uma empresa no exterior para que fabrique seu produto em determinadas condições, para vendê-lo tanto no país de origem, como no país da companhia contratada ou em outros locais em que a contratante atue.

Contrato de gestão – Quando uma empresa do mercado doméstico cede a uma empresa estrangeira o direito de operacionalizar o negócio – sem transferir a propriedade. Os acordos são feitos entre empresas com interesses complementares, como redução de custos e acesso a novos mercados.

Subsidiárias de propriedade integral – Consiste na abertura de filiais de propriedade integral em mercados externos: pode ser uma subsidiária de vendas e distribuição ou de produção. A estratégia corresponde a um alto grau de controle da empresa sobre o processo de acesso a mercados internacionais.

Como Decidir

Após conhecer todas as formas de atuação, é preciso decidir qual é a forma mais adequada para o seu modelo de negócio. Na avaliação e decisão quanto à forma mais adequada para acessar mercados internacionais, a empresa deve considerar quatro variáveis básicas:

. O grau de controle que a empresa pretende ter sobre o processo;

. O custo envolvido e o investimento necessário;

. O retorno que será obtido;

. E, o nível de risco envolvido.

 

Converse com um Especialista e tenha um estudo de internacionalização para o seu negócio, com informações para estruturação de um planejamento estratégico assertivo. Agende uma visita.

Deixe uma resposta