Melhorando a Gestão com Agilidade

A habilidade que uma empresa tem de readequar-se rapidamente em termos de estratégia, estrutura, processos, colaboradores e tecnologias enquanto mantém seus valores de criação e de produção, preservando as oportunidades sempre ao seu alcance é que chamamos por Agilidade Operacional.

Essa habilidade não só aumentaria e melhoraria a produção e o rendimento da equipe como também preserva a competitividade da empresa. Apesar desses benefícios, muitas empresas ainda se desgastam em processos longos e dispendiosos.

A McKinsey, através de pesquisas, identificou padrões de comportamento que impedem a agilidade operacional nas empresas com gestão debilitada. A partir disso, propôs três atitudes que podem favorecer uma mudança nesse quadro.

Entenda o tamanho da mudança imposta pela adoção de um novo ritmo

A questão cultural – especialmente o desacordo entre os métodos que envolvem um cotidiano trabalho ágil e os requisitos diários de cada funcionário, a falta de colaboração entre os diferentes níveis hierárquicos e setores e a resistência dos funcionários às mudanças – é um dos maiores desafios para implementar uma gestão ágil.

Seja claro ao definir a visão do novo modelo organizacional da empresa

As unidades ágeis são as mais importantes na criação de uma visão e propósito a serem compartilhados. O alinhamento dessa visão por meio de orientação estratégica é fundamental, uma vez que servirá de exemplo aos demais setores.

Esteja claramente articulado com quais os benefícios esperados, medindo todos os impactos que serão trazidos pela mudança. Essa visão da nova organização deverá ser elaborada coletivamente, contando com apoio e envolvimento máximo dos agentes de liderança.

Saiba exatamente onde e como começar a mudança

Inicialmente, identifique quais as áreas organizacionais que estão exigindo a mudança. Em seguida, avalie qual a metodologia mais adequada à sua organização, ou seja, qual método irá alavancar mais apropriadamente sua agilidade operacional, de modo que as ações estratégicas, estruturais, processuais, de pessoal e tecnológicas se reforcem mutuamente.

Deve-se, ainda, determinar quais os recursos e os prazos que a transformação irá exigir, de modo que o esforço pela mudança entre em ação. Durante esse período, o escopo deve permanecer livre e gerenciável para o caso de qualquer intervenção.

 

Deseja conversar sobre a prática da metodologia na sua empresa?

Agenda uma entrevista com um especialista aqui.

Comments (1)

  1. admin disse:

    As dimensões da agilidade organizacional:
    – Agilidade de cliente, a capacidade da empresa em utilizar os clientes no aprendizado e na exploração de oportunidades de inovação. Ela descreve a capacidade da empresa de compreender as manifestações dos clientes para obter inteligência de mercado e detectar oportunidades.

    – Agilidade de parceira, a capacidade de mobilizar os seus recursos, e os conhecimentos e competências de fornecedores, distribuidores, fabricantes contratados e provedores de logística, através de alianças, parcerias. Ela permite que as empresas construam uma rede de parcerias estratégicas para explorar as oportunidades de inovação e de criação de vantagem competitiva.

    – Agilidade operacional, a capacidade dos processos de negócios das empresas para atingir padrões competitivos de prazo, custo e qualidade para exploração de oportunidades de inovação e de criação de vantagem competitiva. É ela quem permite que a empresa rapidamente redesenhe os processos existentes e crie novos processos para explorar as condições de um mercado dinâmico.

Deixe uma resposta